Skip to content

Sobre pedaladas e transformação social

04/03/2012

Um dos criadores do movimento mundial que está relançando o ciclismo sustenta: reagir à civilização do automóvel permite enfrentar tanto o capital quanto o culto ao sacrifício.

Por Daiane de David e Luiz Eduardo Kochhann, do Jornal da Universidade / UFRGS

Em 1992, um grupo de jovens de San Francisco (EUA), iniciou um movimento que hoje é parte da paisagem social e política de 300 cidades, ao redor do mundo. Eles começaram a percorrer a cidade pedalando em grupo e associando esta atitude à crítica social.

Queriam chamar atenção para a colonização das cidades — o grande ambiente contemporâneo de socialização humana — por um símbolo do capital, o automóvel. Também desejavam mostrar que, do ponto de vista prático, não havia dificuldades para superar o colonizador. Em quase todas as metrópoles do mundo, as distâncias podem ser vencidas mais rapidamente de bicicleta que no tráfego congestionado. Não se perde o contato humano, nem a relação com a natureza. Os ciclistas não se reduzem a condutores impessoais, identificados apenas (e segregados…) pela marca e modelo de seu carro.

O movimento era multicultural. Assumiu o nome de Massa Críticanuma referência ao curioso sistema que então regulava, nas cidades chinesas, o trânsito, nos cruzamentos sem sinalização. Os ciclistas de uma das transversais aguardavam o fluxo da outra, até que fossem suficientemente numerosos para “mudar o sinal”. Então, avançavam espontaneamente, interrompendo os que antes passavam. A alternância se auto-regulava de forma democrática e não-autoritária. O movimento de San Francisco adotou o conceito, por ver a transformação social como algo que pode ser produzido horizontalmente, a partir da adesão a ideias contra-hegemônicas. Em duas décadas, espalhou-se pelo mundo (veja os links, ao final deste verbete da Wikipedia).

Um dos precursores do movimento Massa Crítica, o norte-americano Chris Carlsson (ver site) é escritor, historiador da contracultura e ativista do espaço público. É autor de livros como Nowtopia (A Utopia do Agora – tradução livre), sobre pessoas comprometidas com políticas alternativas de trabalho que vão além da lógica de mercado e que levam uma forma mais artística de pensar para seus projetos. Em entrevista ao JU, Carlsson contou que o movimento, iniciado em 1992, em São Francisco, nos Estados Unidos, é resultado de encontros e discussões entre um grupo de amigos que tentava imaginar uma maneira de ligar ciclismo e política. Ele está organizando um livro e promovendo um encontro entre ciclistas de diversos países em comemoração aos vinte anos do Massa Crítica. Esteve no Brasil recentemente, participando do Fórum Mundial da Bicicleta, em Porto Alegre (23 a 26/2) , e de um debate promovido pelo Ciclocidade (29/2), em São Paulo. Eis o que ele diz.

Para ler a entrevista do Blog Coletivo Outras Palavras, clique aqui.

Anúncios
One Comment leave one →
  1. Humberto permalink
    05/03/2012 9:59

    Ao ler o site, embarquei na idéia de ter uma bicicleta e aproveitar passeios pela cidade aos fins de semana;
    Comprei luz, pisca-pisca, espelho, pé, conta-giros, etc. E comprei corrente. Paguei, e saí pedalando p/ o Ibirapuera;
    Lá chegando, amarrei no poste próprio p/ bikes, e dei a minha corrida;
    Volto 20 Min depois, volto e a bicicleta NÃO ESTAVA MAIS LÁ

    Olha, muito obrigado ao site, viu….
    Nunca mais comprarei uma bicicleta novamente.

    thanks for nothing…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: