Skip to content

Aquecimento global faz garoa virar temporal

13/01/2011

Na região metropolitana de SP, o registro de chuvas intensas teve crescimento 3,5 vezes maior do que a média

Ricardo Mioto, Folha de S.Paulo, 13 de janeiro de 2011

A mudança climática, ao fazer com que tempestades se tornem mais comuns, deixa regiões serranas como a do Rio mais vulneráveis. No caso de megacidades como São Paulo, o aquecimento global se soma ao excesso de concreto, tornando os temporais ainda piores. Quem mostra a relação entre clima, concreto e chuvas fortes são os climatologistas.

Com o aumento geral da temperatura do planeta, nas palavras de Kevin Trenberth, do Centro Nacional para Pesquisa Atmosférica dos EUA, “o calor extra tem de ir para algum lugar. Parte dele vai para a evaporação e, assim, causa mais chuva”.

VERDE

Nova Friburgo e Teresópolis, cidades encravadas em uma região propícia a deslizamentos, são, então, vítimas cada vez mais fáceis de tragédias. Essas cidades, porém, têm uma vantagem: são áreas urbanas pequenas, cercadas por áreas verdes. Fossem megalópoles, as chuvas seriam ainda piores.

Isso porque, em cidades grandes como a capital paulista, um fenômeno chamado ilha de calor urbana torna as enchentes mais cruéis.

Grosso modo, como o concreto retém mais calor do que a vegetação, a temperatura na cidade é mais alta, e esse calor extra se soma ao do aquecimento global, fazendo ainda mais água evaporar. A umidade do ar aumenta, e as chuvas pioram. Além disso, claro, o concreto atrapalha o escoamento da água.

Os dados do climatologista do Inpe Carlos Nobre mostram as mudanças no padrão de chuvas que a mudança climática causou: não há, por exemplo, registros de precipitações de 50 mm em um dia na cidade na década de 1930.

Na década de 1990, chuvas assim já eram consideradas comuns. São Paulo foi deixando de ser a “terra da garoa” e se encaminhou para ser a “terra da tempestade”, como se viu nos últimos dias.

As ilhas de calor são, então, poderosas. Elas fazem com que a diferença de temperatura entre um bairro de centro e regiões mais distantes como a represa Guarapiranga ou a serra da Cantareira possa passar de 10C.

As ilhas explicam por que, apesar de aumentos nas precipitações intensas terem ocorrido em todo o Sudeste nos últimos 80 anos, inclusive na região serrana do Rio, na região metropolitana de São Paulo o crescimento foi 3,5 vezes maior que a média.

Anúncios
One Comment leave one →
  1. 08/03/2011 22:30

    Achei muito legal o artigo, só penso que infelizmente o governo e outras instituições não irão se preparar para novos deslizamentos nessa região e desgraças como estas continuarão acontecendo…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: