Skip to content

Sem carro, por opção

28/11/2010

Estudo mostra que 7 milhões de famílias têm recursos para comprar carro zero sem comprometer a renda, mas preferem usar o dinheiro em outras prioridades.

Alexandre Costa Nascimento e Franciele Ciconetto, Gazeta do Povo, 27 de novembro -11-2010.

Duas em cada dez famílias brasileiras que andam a pé têm condições econômicas para financiar a compra de um carro popular zero quilômetro comprometendo no máximo 30% de suas rendas com as parcelas mensais do financiamento. Esse contingente, de 7 milhões de famílias, representa seis vezes a frota atual de Curitiba, proporcionalmente a capital mais “motorizada” do país, e equivale a quase três anos de produção da indústria automobilística brasileira. O que indica que, mantidas as condições atuais, o mercado nacional terá demanda suficiente para continuar aquecido ao longo dos próximos anos.

Os dados fazem parte de um estudo feito pelo Departamento de Pesquisa Econômica do Santander Global Banking & Markets, com base na análise das três condições essenciais que possibilitam a compra de um veículo: preço, renda e crédito. De acordo com o levantamento, a evolução desses três fatores macroeconômicos entre os anos de 2003 e 2010 contribuiu para aumentar em 14,2 milhões o número de famílias com poder aquisitivo suficiente para comprar um carro novo.

Para calcular essa demanda potencial, a pesquisa analisou os microdados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), do IBGE, que mostra que 7,05 milhões de famílias com condições de arcar com a parcela de um automóvel novo ainda não têm carro ou motocicleta. O número já considera o desempenho do mercado doméstico, que vendeu aproximadamente 3 milhões de veículos entre maio de 2009 e agosto de 2010.

Mas, apesar de surpreendente – a indústria brasileira demoraria 2 anos, 9 meses e 25 dias para atender a essa demanda potencial –, o número é considerado “conservador”, já que não considera eventuais compras de famílias que já têm pelo menos um veículo, nem a troca do veículo atual por um zero quilômetro. “Qualquer mudança em algum dos fatores [renda, preço e crédito] pode ampliar ainda mais esse número”, avalia a economista do Santander Luiza Betina Petroll Rodrigues, responsável pela pesquisa.

Luiza pondera que o dado não representa uma certeza de demanda. “Este número não é uma garantia, mas é um forte indicador que representa um potencial de crescimento. Se um terço dessas pessoas comprar uma tevê de plasma em vez de comprar um carro, isso por si só já ajuda a manter o mercado interno aquecido”, considera Luiza. No entanto, a economista alerta para o risco de que esse excesso de consumo pressione a inflação. “Em termos macroeconômicos, qualquer demanda adicional pode gerar inflação, e deve ser contida pela autoridade monetária”, avalia.

Casa própria

Já o consultor do setor automotivo Olivier Girard, da Macrologística Consultores, pondera que esse risco inflacionário, embora real, é pouco provável. “É preciso considerar que é impossível que 7 milhões de pessoas queiram comprar um carro de uma hora para outra”, avalia. Segundo ele, esse potencial de consumo tende a ser diluído em outros itens, como eletrodomésticos, eletrônicos ou mesmo a aquisição da casa própria.

Este é o caso do analista de sistemas Alex Yukio Wassano. Com salário de R$ 2,6 mil e sem dívidas, ele tem renda suficiente para comprar o primeiro carro, mas prefere economizar o dinheiro para dar entrada em um apartamento. “Ter um carro acaba acarretando uma série de gastos desnecessários. E, na verdade, eu não preciso de um, já que moro perto do trabalho”, justifica.

Alex conta que pretende economizar mais dois anos para dar a entrada na compra de um imóvel. Mesmo assim, o carro zero não fica de fora de sua lista de projetos para o futuro. “Quando já estiver com o apartamento, aí, sim, pretendo comprar um carro, mas isso ainda vai levar um tempo”, diz. A percepção é de que casos como o de Alex são a regra. Na semana passada, a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores no Paraná (Fenabrave-PR) “culpou” o mercado imobiliário pela previsão de crescimento do mercado automotivo em 6%, abaixo da meta para 2010.

“Parte dos consumidores migrou para a construção. O Paraná, e principalmente Curitiba, teve muitos lançamentos imobiliários e as pessoas estão pagando as prestações, além do aluguel. Quando os imóveis forem entregues, elas não irão precisar se preocupar mais com o aluguel e o dinheiro volta a circular”, considera o diretor-geral da Fenabrave-PR, Luís Antonio Sebben.

Otimismo – Anfavea vê crescimento, mas falta infraestrutura

A Associação Nacional de Fabrican¬tes de Veículos Automotores (Anfavea) prevê um crescimento de quase 50% na produção das montadoras nos próximos cinco anos, saltando dos 3,4 milhões de veículos que devem ser fabricados em 2010 para 5 milhões de unidades em 2015.

“As perspectivas da Anfavea são de que o mercado automotivo brasileiro tem forte potencial de expansão nos próximos anos, considerando-se as favoráveis condições de manutenção da economia estabilizada, com novos investimentos, maior produção, mais emprego, poder de compra e maior consumo, inclusive com a inserção no mercado consumidor de novas camadas sociais da população”, afirmou a associação, em nota.

A Anfavea credita ainda o potencial do mercado brasileiro ao baixo índice de motorização do país. No Brasil, há um veículo para cada 6,9 habitantes, contra um índice de um carro por habitante nos EUA, um por 2 na Europa e um por 4,5 na Argentina.

Obstáculos

Mas, embora a estrada para o crescimento sustentado da indústria automobilística brasileira esteja bem pavimentada, nuvens carregadas indicam que é preciso ficar atento aos desequilíbrios econômicos globais que surgem no horizonte. Possíveis reflexos da guerra cambial, da crise fiscal na Europa ou mesmo de situações internas inesperadas são a prova de que, em se tratando de economia, é impossível saber de antemão o que vai acontecer após a próxima curva.

“Sempre há de se trabalhar com as incertezas nas previsões econômicas”, aponta Roberto Marx, professor do Curso de Capacitação em Análise e Projeto de Negócios no Novo Setor Automotivo na Fundação Vanzolini. Segundo ele, a desvalorização do dólar e o consequente barateamento das importações já têm provocado efeitos no segmento de peças e equipamentos. “Pode haver uma diminuição do índice de nacionalização dos veículos produzidos aqui. Não se pode considerar apenas quem monta o veículo, mas toda a cadeia”, diz.

Mesmo assim, Marx ressalta que, no cenário atual, essas incertezas são menores do que o otimismo, que tem prevalecido em toda a cadeia produtiva do setor automotivo brasileiro. E, apesar de os carros caberem cada vez mais no bolso dos consumidores, a preocupação é se eles continuarão cabendo nas ruas das grandes cidades brasileiras. “Onde vão circular todos esses carros? Grandes centros urbanos como São Paulo e Rio de Janeiro já estão a beira de um congestionamento generalizado”, pondera.

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: