Skip to content

Especialista culpa especulação imobiliária por enchentes

11/03/2010

Matéria da Rede Brasil.

Leiam abaixo excelente matéria com informações do especialista em drenagem Carlos Campos.

Populações de bairros alagados levam a culpa, mas empresas e a administração pública também constroem em áreas de várzea, afirma especialista

Especialista culpa especulação  imobiliária por enchentes Rua Capachós: há mais de 60 dias debaixo d´água (Foto: Suzana Vier/RBA)

São Paulo – O especialista em drenagem urbana, Carlos de Jesus Campos, lembra-se bem das faixas espalhadas por pontes da marginal Tietê, que após as obras de rebaixamento da calha do rio em 2006 prometiam: “Enchente nunca mais”. Mas pelo menos desde dezembro e incluindo o primeiro mês de 2010, foram vários pontos de alagamentos em dias e horários diferentes. “Diziam que a probabilidade de enchentes no (rio) Tietê era de uma vez a cada 100 anos”, dispara em entrevista à Rede Brasil Atual.
Campos foi um dos idealizadores de piscinões em São Paulo, quando trabalhou na gestão Luíza Erundina (1989-1992). O tecnólogo especializado em questões hidráulicas e de drenagem foi o responsável por produzir um laudo a pedido da Defensoria Pública do Estado de São Paulo sobre os motivos de a inundação de distritos do Jardim Helena (como Jardim Pantanal e Jardim Romano) perdurar desde o dia 8 de dezembro.
Segundo o pesquisador, as enchentes em São Paulo são resultado de escolhas do poder público.

A equação composta por obras demais e cuidados de menos com os rios não dão resultado. “A questão das enchentes não se resolve só com obras, como os governos dizem”, alfineta. “Todos esses problemas se devem à especulação do solo urbano, que atropela leis e despreza o meio ambiente.”

De acordo com a lei nº 7803 de 1989, rios como o Tietê exigem pelo menos 50 metros de margens preservadas de cada lado. “Mas a especulação imobiliária ditou o uso e ocupação do solo urbano“, analisa. Prova disso, seria o sistema viário construído em áreas de várzea, como as marginais Tietê e Pinheiros, as avenidas do Estado e Aricanduva e a rodovia Ayrton Senna. Além de grandes construções como o aeroporto de Cumbica, o campo de treinamento do Corinthians e do Palmeiras na região de Guarulhos, enumera Campos.
“Todos os nossos rios são maltratados. As bacias (hidrográficas) estão doentes”, acentua Carlos de Jesus Campos, especialista em drenagem urbana.
Para o estudioso, as chuvas demonstram que a realização de obras sem uma política de preservação do solo “é um sistema falido”.

“A ampliação da marginal é jogar carros em área de cheia, ou seja, jogar mais pessoas nas enchentes
“, ensina.  Não é o caso de desprezar as obras, mas ele sugere que o poder público “primeiro, tenha uma política de gestão das bacias hidrográficas e cuidados básicos como contenção do desmatamento, preservação das várzeas e redução da impermeabilização”.
“Todos os nossos rios são maltratados. As bacias (hidrográficas) estão doentes”, acentua. Apesar do investimento de R$ 1,7 bilhão no rebaixamento da calha do rio Tietê, outras ações importantes para o rio deixaram de ser realizadas, como preservação das margens, ações de combate ao assoreamento, entre outras.

Mitos

Improviso
Moradores improvisam passagem em quintal alagado (Foto: Suzana Vier/RBA)
Segundo Campos, o lixo não provoca enchentes, mas alagamentos localizados. “O que causa grandes enchentes é o desrespeito às várzeas e a erosão”. Como ilustração, ele cita análise que o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) fez do material retirado do rio Tietê durante as obras de rebaixamento da calha. “Segundo o estudo, 96% do sedimentos eram fruto de erosão; 2% pneus e o resto lixo”, descreve. “Atribuir o problema ao lixo é jogar a culpa nas costas da população.”
O especialista também critica as administrações municipal e estadual que culpam os moradores do Jardim Romano e Pantanal – algumas das áreas alagadas há mais de dois meses na zona leste de São Paulo – pelas enchentes. “A população pobre não tinha poder econômico para construir acima do nível de cheia e por isso virou notícia e foi apontada como culpada”, descreve. “Empresas privadas  e o sistema viário também foram erguidos na várzea”, lembra.
Para o estudioso, a construção do Parque Várzeas do Tietê também não é a melhor solução para a região. “Até para construir o parque vai ser necessário ocupar mais ainda a várzea, porque vai ser construída uma estrada-parque”, salienta. “Não entendo como construir uma via-parque sem fazer aterro. Vai provocar mais enchentes”.

Sem explicação

O laudo de Campos sobre a rua Capachós, elaborado a pedido da Defensoria Pública, indica que não há motivo para o local no Jardim Romano continuar alagado. “Não há qualquer justificativa para que a referida rua continue sofrendo alagamentos”, indica o relatório técnico.
“Empresas privadas  e o sistema viário também foram erguidos na várzea”, lembra especialista.
Para resolver o problema, sugere isolar a rua do contato com o rio, fechando as galerias subterrâneas e bombear as águas paradas.
“O que não se concebe é que uma rua fique com águas empoçadas, expondo os moradores a riscos de graves doenças… e também expostos ao constrangimento perante todo o país, através até de protestos públicos seguidos de prisões, conforme relato da imprensa. Isso faz reduzir a autoestima e também o valor de seus imóveis, inclusive o conjunto da CDHU ali construído”, detalha o laudo, encaminhado à Defensoria Pública no início de janeiro de 2010.
Anúncios
One Comment leave one →
  1. 09/04/2010 22:44

    AS ENCHENTES QUE ACONTECEU NO RIO DE JANEIRO FOI UM CASO INACEITAVEL… PORQUE UMA BOA PARTE DA CULPA FOI DA ADMINSTRAÇÃO DE PREFEITURA COM DEMAIS ADMINSTRAÇÃO ESTADUAL

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: