Skip to content

Exportando poluição para o Brasil

25/09/2008

Governos e imprensa conservadora sempre comemoram a abertura de novas fábricas no Brasil. Mas isso é, muitas vezes, a pura exportação de poluição de países com leis ambientais (como os europeus) ou com fiscalização cada vez mais rígida para outros mais frouxos – no caso, o Brasil.

Há poucas indústrias mais destrutivas para o meio-ambiente do que a de celulose. A reportagem abaixo, que relata esta mudança, sequer menciona a questão ecológica e o enorme custo que estas fábricas impõem ao Brasil, mas nos informa sobre os novos crimes ambientais em curso.

Indústria de celulose fecha as portas na Europa e abre no Brasil
Enquanto a Europa reduz a produção para cortar custos, o Brasil saltará do 6.º para o 3.º lugar do ranking mundial

Marianna Aragão, O Estado de S.Paulo, 20 de setembro de 2008

O Brasil se tornou protagonista na recomposição das forças da indústria de papel e celulose. A união anunciada esta semana entre Votorantim Celulose e Papel (VCP) e Aracruz, que fez surgir a maior produtora de celulose do mundo, deve acelerar o ritmo de ampliação da produção nacional, que chegará a 18 milhões de toneladas anuais em 2012. Graças a essa onda de investimentos, o Brasil deve ultrapassar a China e chegar à terceira posição no ranking de países produtores da matéria-prima.

Ao mesmo tempo, o País virou o alvo preferido de multinacionais do setor, que nos últimos anos estão levando suas fábricas de países do Hemisfério Norte para os do Sul. A sueco-finlandesa Stora Ensa, a portuguesa Portucel e os chineses da Asia Pulp & Paper (APP) são algumas das gigantes que avaliam empreendimentos no Brasil, segundo fontes ligadas às empresas.

Além de escassa, a madeira utilizada pelos grandes produtores na Europa, Estados Unidos e Canadá ficou mais cara. Em janeiro de 2009, a Rússia, uma das principais fornecedora da indústria européia, vai começar a sobretaxar as exportações desse insumo. “Eles não conseguem mais competir por causa do custo da fibra, muito maior nessas regiões”, explica Kurt Schaefer, vice-presidente da RISI, agência internacional de informação para indústria de produtos florestais.

O Brasil utiliza eucalipto na produção de celulose, que tem custo menor e cultivo mais rápido. “Com alta produtividade e boa oferta de celulose, o Brasil tem condições de abastecer os mercados que demandam o produto”, diz a presidente-executiva da Associação Brasileira de Papel e Celulose (Bracelpa), Elizabeth de Carvalhaes. Segundo ela, a demanda nos países emergentes levou ao aumento da demanda de celulose no mercado externo.

A sueco-finlandesa Stora Enso, uma das maiores do setor, com faturamento de US$ 11,8 bilhões, fechou quatro fábricas na Europa nos últimos dois anos. Agora, concentra seus esforços nos mercados emergentes, principalmente em países da América Latina e China. “A América do Sul se beneficia desse cenário”, diz o vice-presidente da subsidiária brasileira, Otávio Pontes.

No Brasil, a companhia está plantando uma base florestal de 13 mil hectares no Rio Grande do Sul para futuros empreendimentos industriais. “Temos estudos avançados para duplicar a capacidade de produção no País em dois anos”, diz. A companhia fabrica celulose no Brasil desde 2005, por meio da Veracel, uma joint venture com a Aracruz no sul da Bahia.

Segundo Pontes, além de alto custo de produção, as fábricas na Europa sofrem com a valorização da madeira. O insumo tem sido subsidiado na União Européia para uso na geração de biomassa. O uso dessa fonte energética cresceu por causa dos altos preços do petróleo e das metas para utilização de energias renováveis fixadas nos países europeus.

A gigante Asia Pulp & Paper (APP) montou um escritório em São Paulo para reforçar seus negócios no Brasil. Por enquanto, o objetivo da empresa, com fábricas na China e Indonésia, é ampliar as importações – até então, ela vendia irregularmente e em pequenas quantidades para o Brasil.

Mas a companhia não descarta a possibilidade de instalar uma fábrica de celulose no Brasil. “O Brasil é o grande fornecedor do insumo. Não tem quem possa batê-lo, pelo menos pelos próximos 15 a 20 anos”, diz o gerente-geral da subsidiária, Geraldo Ferreira.

Outra empresa que está de olho no potencial brasileiro é a portuguesa Portucel. A empresa já estaria negociando a compra de terras em Mato Grosso do Sul. A Secretaria do Desenvolvimento do Estado recebeu executivos da companhia há cerca de dois meses. Em agosto, a Portucel anunciou a instalação de duas fábricas de celulose, em Moçambique e no Uruguai.

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: