Skip to content

Dez razões contra as usinas nucleares

23/07/2008

Rita Calvario, Esquerda.net, 20 de julho de 2008

Com a reativação da construção de Angra 3 e os planos do Ministério de Minas e Energia de povoar o Nordeste de usinas nucleares – a região do Brasil com maior potencial eólico e solar -, nada mais atual que discutir as alegações em torno das usinas nucleares. Este artigo da ecologista portuguesa Rita Calvario retoma, de forma sistemática, os argumentos contra o nuclear.

 A irresponsabilidade do nuclear

Perante a alta do preço dos combustíveis fósseis e o custo das emissões de carbono, começa a ressurgir a discussão da energia nuclear em Portugal, agora pela voz de Victor Constâncio.  Mas parece que estas vozes se esquecem que esta opção não permite resolver os problemas energéticos estruturais do país e coloca outros problemas sem resolução à vista. Apresento, sucintamente, pelo menos 10 razões para rejeitar o nuclear.

Em primeiro lugar, também as centrais nucleares dependem de matérias-primas cada vez mais escassas, caras de obter e cobiçadas: ou seja, o que hoje se passa com os combustíveis fósseis também se passa com o urânio e tende a agravar-se. Também neste sector aumentam os preços e a especulação.
Em segundo lugar, mantém-se a elevada dependência a recursos energéticos externos já que o urânio existente em Portugal é insuficiente.

Em terceiro lugar, o custo de uma central nuclear é enorme. Geralmente as contas que nos são apresentadas não entram em linha de conta com os custos de armazenamento dos resíduos, desmantelamento da central e limpeza de locais contaminados, reforço da linha elétrica, serviços de fiscalização e segurança, entre outros. A história do nuclear mostra que esta sempre foi e continua a ser, mesmo com a nova geração de reatores, uma indústria altamente dependente de subsídios públicos.

Em quarto lugar, o problema da dependência petrolífera e das emissões em Portugal é, na sua grande maioria, em relação às formas não-elétricas de energia, como no sector dos transportes, a que o nuclear não responde. A eletricidade corresponde apenas a 25% do consumo final de energia.

Em quinto lugar, além do problema do armazenamento dos resíduos, as centrais apresentam o risco de elevada contaminação radioativa, devido a acidente ou ataque terrorista, bem como no transporte do combustível e dos resíduos. Para além disso, não se consegue nunca eliminar o erro humano, o responsável pelo acidente de Chernobyl.

Em sexto lugar, a exportação e a proliferação contínua de tecnologia nuclear aumenta significativamente o risco de proliferação de armas nucleares, existindo o risco de novos Estados se tornarem novas potências nucleares.

Em sétimo lugar, o nuclear não gera diretamente quaisquer emissões de GEE, mas a construção das centrais é uma importante fonte de emissões, tal como a prospecção, a extração e o transporte de urânio (o ciclo do urânio é um grande consumidor de energia e um forte emissor de CO2), o transporte dos resíduos para processamento ou armazenagem e o futuro desmantelamento – O estudo americano “Nuclear Power: The Energy Balance” (2005), que compara as emissões de CO2 analisando o ciclo de vida de um central nuclear e de uma central a gás natural (com uma potência equivalente) chega à conclusão que, no longo termo, com o decréscimo da qualidade das reservas de urânio, o nuclear tem muito mais emissões que o gás natural.

Em oitavo lugar, além das elevadas emissões de carbono, o ciclo do urânio até à utilização no reator é um enorme gerador de resíduos tóxicos e de agressões ambientais. E uma central nuclear consome elevados volumes de água: teria de ser instalada no litoral português, o qual é densamente povoado, por falta de caudais suficientes nos rios.

Em nono lugar, a radioatividade dos resíduos do urânio processado nas centrais é muito elevada, com graves riscos para a saúde pública durante dezenas a centenas de milhares de anos. Ainda não foi encontrada uma solução satisfatória para o tratamento dos resíduos, hoje armazenados em locais temporários. Este é um pesado legado para as gerações futuras.

Em décimo lugar, a nova geração de reatores nucleares em construção na Finlândia (Olkiluoto 3) e na França (Flamanville 3), apresentados como a vanguarda do renascimento do nuclear, têm registrado uma série de atrasos, derrapagens orçamentais e problemas técnicos de segurança. Na Finlândia, o prazo de conclusão da central foi adiado por dois anos e os custos de construção quase que duplicaram para um valor de 5 mil milhões de euros, com várias falhas na construção a implicar potenciais riscos de segurança. Na França, os problemas são semelhantes, tendo já sido mandada parar a construção pela Agência de Segurança Nuclear francesa por vários problemas técnicos de segurança registrados.

Anúncios
7 Comentários leave one →
  1. Vanessa permalink
    01/12/2009 21:12

    Ei,Valeu achei o que prescisava obrigado mesmo vúi!!!

  2. samara permalink
    25/05/2010 22:14

    realmente,é um assunto que é delicado,merece estudos bem aprofundados e aqui,pude ter noção do que muitas vezes a mídia não mostra.
    Obrigada.

  3. Helen Mendes permalink
    30/11/2010 10:10

    Sou leiga no assunto mais pelo pouco que pude intender fiquei super chocada com os riscos e desvantagens para nosso meio ambiente …ah fora os bilhoes gastos em manutenção, com tantos problemas o Brasil ainda quer investir nissoOo!!

    Lula acorda !!

  4. Antonio Barros permalink
    30/11/2010 10:30

    Não passa de um artigo totalmente leigo, de quem não se aprofunda no assunto…. Dá até preguiça de comentar…. espero que as pessoas tenham senso crítico pra poder questionar os “10 motivos”…. pesquisem na internet, nos artigos….

  5. geovana permalink
    24/03/2011 20:42

    nao encontrei o que precisava

  6. Karoline permalink
    28/03/2011 11:56

    O Artigo em questão apresentou de maneira eficaz os riscos da instalação de uma usina nuclear. O texto atingiu o público comum, não necessitando agregar ao corpo do artigo estudos detalhados.

  7. 25/09/2011 18:59

    Sou contraq Energia Nuclear no Brasil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: