Skip to content

Agrocombustíveis responsáveis por 75% do aumento do preço dos alimentos

06/07/2008

Um relatório confidencial do Banco Mundial obtido pelo jornal britânico Guardian diz que os agrocombustíveis contribuíram para um aumento em 75% do preço global dos alimentos. Esta é a análise mais detalhada da crise até ao momento, conduzida por um economista de renome internacional de um corpo financeiro global.  

Esta figura contradiz com enfâse os argumentos do governo dos EUA de que os os combustíveis com origem em planta contribuem em menos de 3% para o aumento do preço dos alimentos. Vai colocar pressão nos governos de Washington e em redor da Europa, os quais têm apostado neste produto para reduzir as emissões de gases de efeito de estufa e reduzir a dependência ao petróleo importado.

Fontes seniores acreditam que o relatório, completado em Abril, não foi publicado para evitar o embaraço do presidente Bush. 

A notícia vem numa altura crítica das negociações mundiais sobre a política de biocombustíveis. Os líderes do G8 encontram-se na próxima semana no Japão, onde vão discutir a crise alimentar e vão estar sujeitos a um intenso lóbi de activistas a pedir uma moratória ao uso de agrocombustíveis.

O aumento do preço dos alimentos colocaram mais 100 milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza, estima o Banco Mundial, e espalhou confrontos desde o Bangladesh ao Egipto.  

O presidente Bush ligou os altos preços a uma maior procura da Índia e China, mas o relatório do Banco Mundial refere que: “O rápido crescimento económico dos países em desenvolvimento não levou a grandes aumentos no consumo mundial de cereais e não foi um factor de maior responsabilidade para os elevados aumentos de preços”. 

Mesmo as secas sucessivas na Austrália, calcula o relatório, tiveram um impacto marginal. Por outro lado, argumenta que a política favorável aos agrocombustíveis dos EUA e da UE foi de longe a que teve maior impacto na oferta de alimentos e no seu preço. 

“Sem o aumento nos agrocombustíveis, os stocks de trigo e milho não teriam declinado consideravelmente e os aumentos de preços devido a outros factores teriam sido moderados”, refere o relatório. O cabaz de preços alimentares examinados no estudo subiram 140% entre 2002 e Fevereiro último. O relatório estima que mais altos preços da energia e fertilizantes contaram para um aumento de apenas 15%, enquanto os agrocombustíveis foram responsáveis por um salto de 75% neste período.

Argumenta que a produção de agrocombustíveis distorceu os mercados alimentarem em 3 maneiras principais. Primeiro, deslocou os grãos dos alimentos para o combustível, com mais de 1/3 do milho dos EUA a ser usado para produzir etanol e cerca de metade dos óleos vegetais da UE e ir para a produção de biodiesel. Em Segundo, os agricultores foram encorajados a dedicar terra à produção de biocombustíveis. Em terceiro, espalhou a especulação financeira, conduzindo o preço para cima.

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: